• Ultimas Notícias

    Baleias estão repovoando antigas áreas, dizem especialistas


    Em menos de 24h, duas baleias jubarte encalharam no litoral soteropolitano - as únicas no ano na cidade. Na quinta (29), um filhote chegou à costa da Praia de Alvejados, em Plataforma, já nesta sexta (30), outro mamífero de 39 toneladas e 14 metros foi encontrado encalhado na Praia de Coutos.
    Os mamíferos marinhos preferem o Banco dos Abrolhos, que se estende do norte do Espírito Santo até o sul da Bahia, para se reproduzir. Mas elas podem ser encontradas em toda costa brasileira - inclusive na Baía de Todos os Santos. Por esse motivo, não é estranho a ocorrência de dois encalhes em Salvador.
    A bióloga Luena Fernandes, do Instituto Baleia Jubarte, explica que presença dos mamíferos na baía é pequena devido ao números de navios na região. Apesar disso, com o aumento da população de jubartes, é natural que os animais venham para a costa soteropolitana. “As baleias estão repovoando antigas áreas de ocorrência. Existem registros que eles estavam presente na baía”, explicou Fernandes.
    Segundo Luena Fernandes, a população de baleias jubarte ainda está se recuperando da caça comercial, que foi proibida em 1997. A estimativa do instituto é de que 20 mil indivíduos da espécie venham para o Brasil em 2019. “Os encalhes são acontecimentos naturais e que não ameaçam o futuro da espécie”, ressaltou a bióloga.
    A bióloga informa ainda que uma baleia pode encalhar por diversos motivos. Desde uma doença até causas humanas. “Pode ser por causas naturais, normalmente encalham por já estarem doentes, desorientadas ou desnutridas. Também podem ocorrer casos de colisões com embarcações e emalhamento em redes pesca”, explicou.
    De julho até novembro, a população de Jubartes que habita o Atlântico Sul Ocidental deixam a região das gélidas ilhas Geórgia do Sul para vir para a costa brasileira, onde encontram águas mais rasas e quentes.Este é o ambiente perfeito para a reprodução e a criação dos filhotes. 
    O Banco dos Abrolhos é a principal área de reprodução da espécie no Atlântico Sul Ocidental. O arquipélago que dá nome ao local predileto das baleias jubarte para reproduzir é acessado pela cidade de Caravelas, no extremo sul do estado. Da cidade até Salvador, são cerca de 842 Km.
    Ajuda às baleias encalhadas
    Ao avistar uma baleia encalhada, as pessoas devem entrar em contato com o Instituto Baleia Jubarte, para solicitar o salvamento. “Só com ajuda técnica e coordenada é que se pode ajudar os animais. É recomendado que se evite o contato porque os animais podem transmitir doenças. Se estiver vivo, o animal pode se movimentar involuntariamente causar ferimentos nas pessoas”, explicou.

    Luciano se feriu ao tentar salvar a Baleia Jubarte, em Coutos (Mauro Akin Nassor/CORREIO)

    Morador da região, Luciano de Medeiros, 37 anos, jogava água na baleia jubarte quando foi golpeado na perna pela cauda do animal. Ele informou que foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e levado para a Upa de Periperi. 
    “Eu tava pela manhã, desde às 5h, tentando tirar a baleia das pedras. Eu também tava jogando água. Quando a cauda bateu, machucou bastante, mas não quebrou nada. Minha perna está bem inchada”, contou.
    Turismo
    No Extremo Sul da Bahia, a região que compreende os municípios de Prado, Alcobaça, Caravelas, Nova Viçosa e Mucuri é chamada de Costa das Baleias. Na localidade, é forte o turismo de observação destes mamíferos, o whalewatching - que se estende por toda o Banco dos Abrolhos.

    Fonte: Correio

    Nenhum comentário

    Post Top Ad

    ad728

    Post Bottom Ad

    ad728